A PPP e o saneamento básico

02/03/2018

Um dos principais entraves ao desenvolvimento dos serviços públicos de saneamento básico no Brasil é a falta de recursos. O avanço lento coloca o país na 111ª posição no ranking de saneamento da Organização das Nações Unidas (ONU).

Acelerar as parcerias público ­privadas é a alternativa mais indicada pelos analistas para os avanços no setor. E foi esse o caminho encontrado pela Corsan para viabilizar em até 11 anos a universalização da coleta e tratamento de esgotos em nove municípios da Região Metropolitana, com investimentos de R$ 1,85 bilhão.

No Rio Grande do Sul, apenas 14% do esgoto é tratado e coletado. Com esse projeto, serão beneficiadas diretamente as cidades de Alvorada, Cachoeirinha, Canoas, Esteio, Eldorado do Sul, Gravataí, Guaíba, Sapucaia do Sul, Viamão e indiretamente todos os municípios atendidos pela Corsan. “A PPP será um aliado importante da Companhia, pois o parceiro privado é quem vai captar recursos, desonerando a empresa e abrindo a possibilidade para pedirmos financiamento e cumpramos os demais planos municipais de saneamento que temos contratados”, afirma o presidente da Corsan, Flávio Ferreira Presser. “A PPP é uma grande evolução para o Estado do Rio Grande do Sul do ponto de vista da saúde e da qualidade de vida. Significa a manutenção da Corsan como companhia pública e um avanço extraordinário no esgotamento sanitário”, completou o dirigente.