Brasil precisa elevar em 62% os aportes em saneamento, aponta CNI

21/11/2018

A falta de investimentos suficientes permanece como o principal gargalo para a ampliação das redes de esgoto no Brasil.

Estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que para o Brasil atingir a meta do Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) de universalizar a coleta de esgotos até o ano de 2033 é necessário ampliar em 62% o volume de investimentos, subindo dos atuais R$ 13,6 bilhões anuais para R$ 21,6 bilhões por ano em média. Intitulado ‘Saneamento Básico: uma agenda regulatória e institucional’, o estudo integra uma série de 43 trabalhos sobre temas estratégicos.

De acordo com o estudo, a experiência internacional sugere que a parceria com o setor privado tem sido fator fundamental para a expansão e aumento da qualidade dos serviços de saneamento. As concessões e as parcerias público-privadas (PPPs) no setor, no entanto, ainda esbarram em uma série de resistências, a maior parte relacionada aos mitos de que o setor privado só atua em grandes municípios e de que as tarifas privadas são significativamente superiores.

“A ideia de que o setor privado atua somente em cidades de grande porte é absolutamente equivocada. Cerca de 72% dos municípios em que há participação privada são compostos por até 50 mil habitantes. Assim como também é mito a ideia de que a participação privada gera aumento significativo das tarifas: o setor privado pratica tarifas de cerca de 11 centavos acima das tarifas observadas nas companhias estaduais”, destaca o trabalho da CNI.

Segundo números do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), 57% da população nacional dispõe de serviço de coleta de esgoto, mas somente 50% do esgoto gerado é tratado. Na avaliação da CNI, a meta de universalizar a coleta e tratamento de esgotos só se tornará possível caso os próximos governos priorizem a agenda de saneamento básico, estabeleçam PPPs e ampliem os investimentos na medida necessária. Caso sejam mantidos os níveis atuais de investimento, a universalização será atingida apenas após 2050, com cerca de 20 anos de atraso.

Fonte: https://noticias.portaldaindustria.com.br/noticias/infraestrutura/brasil-precisa-aumentar-em-62-investimentos-em-saneamento-para-universalizar-o-servico-ate-2033/